3 de set de 2010

Sou Mathiense e esta é a minha história.

Meu nome é Dilma Marcelino Machado, tenho 50 anos e sou Mathiense.

Nasci na Ilha da Pintada, com 1 ano de idade eu me mudei para o Arroio das Garças e com 13 anos eu me mudei para o bairro Mathias Velho de onde não sai mais. Fomos morar na rua Vacaria, onde o barro se fazia presente em cada chuva, os bailes e as matinés de domingo eram nosso programa favorito, pois eu trabalhava como doméstica e só tinha os finais de semana para sair com as amigas.

Sempre com o olhar atento da minha mãe que nos leva e nos buscava, quando ela não podia uma vizinha assim fazia.

O bairro me traz muitas lembranças de lutas e vitórias, aqui na vila conquistei minha independência, casei, tive quatro filhas, me separei. Com elas passei por dificuldades como qualquer mãe separada, comida escassa, desemprego, minha mãe sempre presente até o último momento dela (já falecida). Criei minhas filhas com todo amor e carinho, mas mostrei a elas que com trabalho e força de vontade conseguimos ir longe. Comprei um terreno no prado (como era chamado) consegui comprar na base da confiança em várias prestações. Como moradora da vila União dos Operários sempre tive o sonho de ter a escritura do meu pedaçinho de chão, o que era apenas uma promessa, um sonho, esta se tornando uma realidade, estou prestes a ter a escritura do meu terreno.

Sou Mathiense e esta é a minha história.



-da esquerda p direita-
Rosinha, Epaminondas, Dilma e Irma em 1966


Marli, Iolanda e Dilma 1973


Dilma, (minhas irmãs) Vilma, Rosinha e Irma 1974


1976


1976


1978


Rua Piratini 1979


1980


1981


Eu e meu irmão 1983


Vilma, Epaminondas e Dilma 1983


-Meus irmão e no centro minha mãe-


Aqui é no meu terreno na rua 18 de novembro, plantei e deu muito aipim!!


Eu


-Minhas filhas-
Em pé: Judinéia e Jocemara
Sentadas: Dilcinéia e Dinamara
****************************************

Resolvi contar um pedaçinho da história da minha mãe, a mulher que eu admiro muito, ela é minha heroína, minha força, minha base, eu te amo minha rainha.
Ela que sempre se preocupou que seu terreno não tinha escritura, a insegurança e o medo de perder a sua terrinha.


E sei que como ela tem muitas mulheres, mães separadas e solteiras que conquistaram seu terreno, e a todos que conseguiram comprando e simplestmente se apropriando, chegou a boa notícia, sábado com a ordem de serviço para a regulamentação fundiária muitos que lutaram vão consegiur e aos que já não estão entre nós, poderão ser lembrados e até homenageados pois sua luta não foi em vão.

Um comentário:

  1. Parabens... Exatamente isso que eu tinha em mente. Adorei o artigo, as fotos, a história de vida que se confunde, com centenas de histórias perdidas nas ruas de nosso bairro...
    valeu por resgatar tudo isso!!!
    Ass:Luciano

    ResponderExcluir

OBRIGADO PELO RECADO...
POR FAVOR DEIXE SEU NOME E EMAIL...
E VOLTE SEMPRE...

...

Bairro Mathias Velho

.,.,.,.,